Hospital Regional do Tapajós promove ações e eventos de valorização a vida no Setembro Amarelo

Segunda, 06 Setembro 2021 14:19 |

Atividades envolvem colaboradores, usuários, acompanhantes e comunidade em geral

O mês de setembro é considerado nacionalmente o mês de conscientização da população com o tema voltado à prevenção ao suicídio. No ano de 2020 foi atipicamente essencial, isso devido a pandemia da COVID-19 que além de causar complicações físicas, afetou principalmente a saúde mental de muitas pessoas.

Neste ano, o tema da campanha nacional escolhida pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), e pela Associação Brasileira de Psiquiatria e do Conselho Federal de Medicina é "Agir salva vidas".

Com objetivo de levar os colaboradores, usuários e a sociedade para pensar, discutir e falar sobre a valorização da vida, o Hospital Regional do Tapajós (HRT), estará realizando eventos e ações internas durante todo o mês, enfatizando a importância de falar sobre o assunto e que de fato agir pode salvar muitas vidas.

No HRT um mural foi ornamentado com a cor da campanha, para que essa ação seja realizada e assim cada um que for escrever seja acolhido por alguma mensagem lá fixada.

Além desse mural de recados na recepção do hospital há um espaço decorado para todos que queiram fazer um registro e compartilhar em apoio à campanha setembro amarelo.

Segundo a psicóloga atuante no HRT, Karina Rui, é importante destacar a necessidade de tratar sobre os assuntos abordados durante a campanha não somente no mês de setembro, mas durante todos os meses do ano.

“Quando se fala em saúde mental se pensa em fatores que potencializam este adoecimento e de que forma ele acomete tantas pessoas, esta prática geralmente está associada a depressão, porém e extremamente importante ressaltar que a mesmas não pertencem a nenhuma classe social, ou perfil estereotipado. A campanha em alusão ao setembro amarelo possibilita uma grande abertura a discussão a respeito da temática, e nos possibilita discutir e explanar não só tema em si mais aonde e como e quando se deve buscar ajuda durante todos os demais meses”.

As ações foram elaboradas e estão sendo realizadas pelo Núcleo de Educação Permanente (NEP) em parceria com as psicólogas da unidade e da comissão de humanização. Também estará dando apoio as ações, profissionais externos da unidade, como é o caso de advogadas que realizaram palestras sobre “Violência doméstica, familiar e os impactos emocionais causados pelos atos, e que levam muitas mulheres a cometer suicídio no Brasil”.

A psicóloga ainda enfatiza a importância de quebra de tabu e falar cada vez mais sobre os assuntos que levam uma pessoa à depressão e ao suicídio.

“Falar sobre a depressão, prevenção ao suicídio ajuda. A visibilidade do tema fornece a população em sua grande massa conhecer mais sobre o assunto e perceber que existem possibilidades para superação dos seus sintomas, falar com alguém que possa lhe ajudar, expor este sofrimento vivenciado a um familiar, amigo ou pessoa próxima pode facilitar o encontro e a chegada deste paciente a um profissional que lhe dará suporte para vencer está batalha que se trava todos os dias em busca da vida”, complementou a profissional.

Para o diretor administrativo do HRT, Jó Henrique é de suma importância trabalhar o assunto com os colaboradores, pois entende que de fato a primeira medida preventiva é a educação.

“Como o suicídio é um ato evitável, a abertura ao diálogo e a compreensão das razões podem reverter esse quadro. Até porque o assunto não é pontual no HRT e sim no homem pós-moderno, então nossa proposta é mostrar para os nossos colaboradores que há vários fatores que influenciam o adoecimento mental e nos problemas psíquicos, e a gente não pode isolar como um problema individual ou particular, fazer com que cada um entenda que pode contar conosco e que juntos podemos lutar pela vida”, afirmou.

ASCOM HRT/Douglas Gomes